Quem sou eu

Minha foto

Fábio Navarro escolheu a escrita, pois não havia saída para o que fervia em seu hipotálamo. Desde os tempos onde, morando em um dos últimos círculos do inferno interiorano paulista,aprendeu que até um papel de pão servia como exorcismo. Nascido nos últimos dias de setembro, quando as folhas já não mais florescem. Expelido por entre restilos de cana de açúcar, dentro do ventre de uma cidade do interior, resolveu sair de casa cedo. Tão cedo que por mais que tente regredir o tempo, não consegue.

Mas esconde-se o máximo que pode através de fantasiosas inverdades escritas em papéis ou destiladas em espaços binários.

Fanático varrido por músicas estranhas, escreve sobre elas em dois sites cariocas, além do seu próprio espaço. 
Anarquista de HQ, descrente da profissão biológica e acreditando que Deus na verdade é Andy Kauffman, trabalha em seu segundo livro.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

UMA MENINA

Lições de educação caseira volume 1

BLAIR
Imagine uma menina loirinha com cabelos amarelados, criada no mais profundo espaço em Nova Orleans. Dentro do ar rarefeito pelo gim, jazz e blues. Junte à isso as canções de Bob Dylan e Neil Young. Você terá a versão gringa de uma artista como Mallu Magalhães. A única diferença é que...

Não existe comparação entre a versão brazuca da história americana. Mesmo porque o som dessa menina, que acaba de lançar seu disco de estréia (Die Young), possui as veias abertas da melancolia um pouco mais adocicadas. Mas nem por isso descartáveis, aliás as canções de Blair, são muito mais baseadas na crueza dos tempos onde ela aprendeu a tocar guitarra do que em qualquer tentativa de reviver os ritmos de sua terra natal.
Mesmo optando muitas vezes por sons mais calmos, é possível perceber a relação que a cantora tem com seus ídolos (PJ Harvey, Sonic Youth, Nirvana e John Frusciante).
Por falar no ex guitarrista do Chilli Peppers, Blair aprendeu a tocar guitarra ouvindo o primeiro disco solo dele.

Um vídeo para um final de tarde cinza. Apresentação ao vivo da canção RAMPAGE em um pequeno bar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário